QUEM SOU EU...


"Ninguém pode calar dentro em mim esta chama que não vai passar, é mais forte que eu e não quero dela me afastar....



Eu não posso explicar quando foi e nem quando ela veio, mas só digo o que penso, só faço o que gosto e aquilo em que creio..."(Maysa)



Com as outras dores fazem-se versos...com as que doem,grita-se! (Fernando Pessoa)













Quem "grita" como eu......

NITERÓI, LUGAR ENCANTADO!!!

NITERÓI, LUGAR ENCANTADO!!!
Luar dando espetáculo na praia da Boa Viagem!"

sábado, 12 de abril de 2008

PIPAS, VENTOS E VIDAS...




A mocinha recebera de presente papéis coloridos, de seda, cola, tesoura, linha, varetas de bambu e a ordem do Universo para com o material construir três pipas de tamanhos variados e o mais bonitas possível.

Cumpriu a ordem com carinho e após alguns anos dirigiu-se à beira-mar para tentar empiná-las.

A primeira, o vento ajudando, voou de pronto, com enorme rabiola colorida e a mocinha, agora já mulher a admirava e segurando a linha lutava contra a força do vento e da pipa que já ia longe.

Repentinamente, numa lufada mais forte lá se foi a voar sozinha e à mulher só restou enrolar a linha e desejar que ela fosse longe e o fizesse bonito.

Em suas mãos duas pipas restaram.

A segunda também lutava em se soltar e a mulher a prendia forte e, ao mesmo tempo, admirava seus volteios mais caprichosos, brincando de pega-pega com outras pipas mas sempre firme nas mãos de sua criadora.

Não mais que num sopro uma pipa estranha, com linha encerada no vidro partiu o cordão que prendia sua linda pipa cor de rosa e lá se foi ela a voejar atrelada à outra que a roubara .

Nas mãos da mulher ficou a terceira pipa, aquela construída com o finalzinho do papel colorido e que por isso não possuía a rabiola muito longa.

Além disso a mulher já conhecia todos os segredos de ventos, linhas enceradas e cortantes e segurou firme nas mãos sua pequena pipa azul de rabiola pequenina.

Até hoje se encontra a mulher pelas praças, praias, campos, por toda a cidade, a soltar a sua pipa fortemente presa em suas mãos.

Não se separarão jamais!


Sonia Regina/1999

sexta-feira, 11 de abril de 2008

...CAMINHANDO E CIRANDANDO...



Ela compreendia que não entendessem o tipo de afinidade que tinha com os três filhos.Eram amigos,unidos com ela e entre eles.
Não poderia ser de outra forma ou não teriam sobrevivido a anos e anos de tentativas para encontrarem a paz,que entre eles sempre existiu.A vida é que tentava,o lado mau da vida,desarmonizá-los sem jamais o conseguir.A força deles era o Amor,a União,a "grudação" mesmo.
Pessoas não entendiam:mães cujos filhos deixavam passar mês ou mais sem lhes falarem,invejavam os telefonemas,quando não presenças quase diárias;filhos que não se preocupavam com opiniões ou agrados de suas mães ironizavam o cuidado,atenção,carinho e a importância com que sua voz era ouvida.
Ela entendia...poucas mães tinham a sorte do Amor presente dos filhos e ela também sabia dos ciúmes que isso despertava nos que não haviam provado deste viver e do medo que ela os influenciasse contra eles.
Ela entendia...mas eles não sabiam que se seus filhos estivessem felizes e tranquilos ela também estaria,fosse onde,como e com quem lhes amasse como eram.A união deles servia de chacota e irritava os que não faziam parte dela,e apenas porque não o desejavam.No Círculo de Amor deles todos eram bem chegados,desde que não tentassem separá-los.Era o grande erro dos de fora:tentar separá-los!Aí selavam seus destinos:ficarem de fora.
Seria tão fácil fazer parte de roda amorosa;bastava dar-lhes as mãos e cirandar com eles.
Ela entendia...eles não cresceram tendo de construir uma Muralha de Amor para se defender da insanidade,dos vícios do dia a dia da vida má.
Construiram suas vidas amparando-se uns nos outros,amando-se e sendo presentes sempre,compreendendo-se e usando muito a cumplicidade.
Ela entendia...e lamentava que os outros não os entendessem.Afinal,o Amor é só claridade e a luz não ameaça ninguém.Será?
Sonia Regina/2000

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Rua TIRADENTES,3

Minha vida nesta vida
se iniciou no aconchego
de uma casa pequenina
que,ainda,em meus sonhos vejo.

Era um lar no meu lembrar
de criança que imagina
que o carinho dos pais
jamais irá lhe faltar.

Uma casa tão pequena
que mora em tanta esperança
trazida em meus projetos
de a ela,um dia ,voltar.

Lá comecei minha vida:
fui gerada em minha mãe,
senti a luz me inundar...
Pra lá voltarei um dia
mesmo já tendo partido,
pelos caminhos perdido
as certezas,ilusões e coração.


postado por Sonia Regina/1994








sexta-feira, 4 de abril de 2008

Estou chegando...




Minha primeira postagem é para falar da sensação de vitória por conseguir realizar a edição deste blog...Tudo que se deseja, com certeza, é possível de ser realizado.

Jamais tive informações para realizar qualquer atividade em um computador. A cerca de dois meses adquiri o modem para a internet e pedi ajuda a meu filho, que é internauta a alguns anos, que me desse algumas explicações, mas ele me aconselhou que fosse mexendo no aparelho que o mesmo me informaria dos passos que deveria dar para que funcionasse.

Confesso que fiquei um pouco desanimada, mas sou curiosa, e muito, e segui seu conselho.Fiz e faço muitas atividades erradas e muitas vezes me irritei e me senti desanimada.

No entanto comecei a me apaixonar com os recursos, com as cores, as fotos que eu mesma tiro e as belas imagens que encontro e vou arquivando para uma futura oportunidade.

Estou dando este testemunho para que pessoas da minha faixa de idade e que, ainda não descobriram os recursos desta máquina e o que de fascinante a gente pode fazer com ela, se animem e preencham suas horas com um entretenimento enriquecedor.

Estou só chegando...

Sonia Regina