QUEM SOU EU...


"Ninguém pode calar dentro em mim esta chama que não vai passar, é mais forte que eu e não quero dela me afastar....



Eu não posso explicar quando foi e nem quando ela veio, mas só digo o que penso, só faço o que gosto e aquilo em que creio..."(Maysa)



Com as outras dores fazem-se versos...com as que doem,grita-se! (Fernando Pessoa)













Quem "grita" como eu......

NITERÓI, LUGAR ENCANTADO!!!

NITERÓI, LUGAR ENCANTADO!!!
Luar dando espetáculo na praia da Boa Viagem!"

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Onde está?



Sei que existe...Se me concentro sou capaz de visualizar cada detalhe...Sinto os aromas e os frescores...sei que existe.Sei do jeito de ser...Só não sei como chegar lá,sequer onde está.
Não é possível que existir seja essa rua agressiva,empoeirada,em que de minha janela assisto a cada dia,seres humanos serem humilhados,violentados,assaltados em seus bens materiais,em seus corações,em suas honras.Não é possível que existir seja esse cinza,essa pichação agressiva no muro defronte,os palavrões que varam a noite nos berros dos que passam pela rua em seus carros velozes;bêbados que perambulam pela madrugada batendo portões,agredindo sonos alheios.
Onde o verde que imaginei?Onde a noite amiga para abrigar o sono?Onde a carícia de brisas nos nossos rostos?
Onde a quietude,a segurança de nossas casas e as paisagens de nossas janelas?
Alguém me enganou quando vim ao mundo fazendo-me crer que viveria tudo isto...


Sonia Regina/1994

sábado, 21 de junho de 2008

Utilidade doméstica


Que tristeza é essa que me estraçalha a alma?Sinto-me rasgada em pedaços e parece que os perdi pela casa:na área de serviço,nas lavagens do banheiro,sugados pelo cano do aspirador.Meus melhores pedaços desceram pelo ralo da pia da cozinha.Pouco a pouco nada mais vai restando,tudo vai se dissolvendo como a esponja da pia.
O que mais me aflige é que só me sinto bem na cozinha,no banheiro,no varal de roupas,com o aspirador nas mãos.Há dias em que gostaria de me balançar no varal,junto às roupas coloridas para que a brisa secasse,docemente,as minhas lágrimas.Outros queria estar pelo chão para que o aspirador sugasse o pó acumulado nos cantos escuros de minha alma e ela pudesse mostrar-se límpida.Quem sabe,o amaciante de roupas tornasse menos ásperos,mais macios os meus sentimentos?
Pouco a pouco me transformo numa utilidade doméstica.Só uma dúvida:quem se encarregará de meu uso e manutenção?

Sonia Regina/1994

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Pouco amor não é amor...


Amor que destrói e mata os sorrisos e os cantares não existe.Amor que não traça projetos e não acalenta sonhos é falso.
O amor constrói,protege,enaltece.Amor não humilha,não magoa,não assusta.Amor é confiança,admiração,companheirismo;é avistar os mesmos horizontes."Pouco amor não é amor!".

Sonia Regina/1994

quarta-feira, 4 de junho de 2008

...e por falar em respeito...




Era uma vaca aos vinte e cinco anos,jovem,bonita e com muitos sonhos a realizar.Melhor dir-se-ia,uma jovem mulher.No entanto,para ela-conceitos machistas insuflados por tantos anos-mulher era palavra pejorativa.Não sabia com quanto orgulho deveria pronunciar:MULHER.Ainda não sabia.Com o correr da vida,com certeza,aprendeu.Por isso,hipócritamente,preferia se intitular jovem.Era mais higiênico.
Aos cinquenta e três anos,transformou-se em cadela.Não que repudiasse esses animais.Afinal convivia com duas,que eram suas amigas fiéis e,sempre,prontas para brincar ou chorar com ela.Pensava que cada ser deveria ser chamado pelo nome correto.Vaca é um animal plácido e gordo,que,para ela,era ofensa,que nos fornece leite e já nos forneceu os ossos para que se transformassem em botões(assim aprendera na escola),isso antes do advento das matérias plásticas.Come e dorme no pasto e é tomada-a força ou não-por um touro que se acredita dono de todas as vacas até que outro touro apareça e ela o aceitará placidamente.
Cadela é um animal fiel,alegre,fácil de se lidar e excelente guarda da casa em que vive,melhor,bem melhor que o cão.Dizem não ter critérios para escolher o seu macho,no que discordo.
O que tenho assistido em minhas observações destes animais é colocar-se a cadela em um lugar restrito em que o cão,em estado lúbrico,a toma a força,na maioria das vezes debaixo dos ganidos agoniados da fêmea.Já assisti,também,a cadela sentar-se e tornar impossível essa conjunção anti-natural.Passados sessenta dias seus donos sorridentes,usufruem dos lucros da venda das ninhadas.Cafetões caninos!
Sei que existem cadelas felizes,que se oferecem aos machos pelos campos da vida e têm suas crias sob as árvores ou protegidas em algum caixote abandonado para logo seguirem com sua ninhada aonde quer que vão.Mas isso são as felizes cadelas dos campos.Lá,onde existem campos.
Mulheres são o lado feminino da raça humana,aquele que pode abrigar em seu ventre um ser de sua mesma raça e a ele dar à luz.Deveria ser tomada pelo homem,a parte masculina desta mesma raça,com amor,e pelo homem ser respeitada em qualquer local em que habitasse ou existisse.Pelo homem e pelas outras mulheres...
Geralmente vive em habitações cobertas e protegidas,algumas mais luxuosas,outras mais simples e trás em seu íntimo,um sentimento de zelo pelo lugar onde habita,cuidando dele com carinho e higiene.
São três seres distintos:vaca,cadela e mulher.Todos úteis,todos dignos de respeito e todos oprimidos pelo sexo oposto,que é costume que se use a expressão:sexo forte!
Forte porque oprime,desrespeita,maltrata e tem o péssimo hábito de trocar designações.Ao fazer a observação me refiro ao bicho-homem,pois jamais ouvi falar de um touro ofendendo uma vaca tratando-a como mulher ou um cão rosnando tentando agredir uma cadela supondo-a mulher.Será porque esses animais não falam ou porque os homens são mais irracionais que eles?Será porque esses animais sabem o tamanho exato de sua força e a hora certa de recuar e os homens pensam que tudo podem?
Não deveria,mas aqui vai minha opinião:penso que alguns homens são tão covardes,tão covardes que ao sentir chegar o limite das forças não se retiram ou abaixam as orelhas,como os animais,tentam intimidar a presa que lhe escapa com a explosão das frases:
-Você é uma vaca!
-Você é uma cadela!
Atenção homens!A Mulher exige respeito!A vaca e a cadela,também!

Sonia Regina/1997